22.8.12

O nome da cousa


A cousa que sufoca, que oprime, que não espera, que não compreende. A cousa, a cousa. A que vem por aí. A que espera na curva. A cousa que estrangula. Que faz o gato engasgar. Que chuta suas canelas. Que faz você perder por um triz. Que mancha suas camisas. A cousa que nos cerca. Que se dá ao respeito, pois a cousa tem lá seus pudores. Uma cousa que se diga. Que abate, que nega. A coisa estava lá quando você se olhou no espelho bem de perto. A cousa some com um pé das suas meias. A cousa nunca flui. Ela não se ajeita aos poucos, ela não se resolve sozinha. Não foi a cousa que botou um caroço no seu peito esquerdo, mas ela foi com você buscar os resultados dos exames. No escuro, a cousa está lá. É dela a respiração que você ouve. A cousa tem fome e não dá moleza para vagabundo. Ela não tem pena dos órfãos. A cousa não se ilude. Qual é mesmo o nome da cousa? 

Quer um exemplar d' "O nome da cousa", autografado, personalizado, cheio de fofuras mis? Não perca mais tempo: R$22 + portes de correio. Pedidos para: fal.drops@gmail.com

Sem comentários:

Publicar um comentário